Horário
Directo:
• 19h00 às 20h00, de Segunda a Sexta-feira

Repetições:
• 06h00, 07h00, 12h00 e 02:15 de Segunda a Sexta-feira
• 06h00, aos Sábados e Domingos
Mais comentados
Sexta-feira, 3 de Outubro de 2008
Divórcio de ideias
As nossas espectadoras responderam em massa ao programa sobre a tal nova lei do divórcio, e o caso não seria para menos...fazê-lo foi para mim muito difícil, já o texto da lei, sendo enganadoramente simples, se presta às interpretações vagas que tanto têm assustado os juízes e magistrados que se têm insurgido contra ela. De ambos os lados da barricada, os argumentos das nossas convidadas, que se prestaram à tarefa com valentia, mostram acima de tudo que a perspectiva muda a nossa opinião da dita lei. Senão vejamos: quem conhece alguém que perdeu muito de seu num divórcio litigioso, mostra-se a favor da nova lei; quem, pelo contrário, se protegeu antes do casamento escolhendo o regime de separação de bens, mostra-se apreensivo quanto ao facto de a nova lei «mudar» a sua anterior escolha, tornando-a numa comunhão de adquiridos forçada...
A questão da «culpa» foi levantada por muitas das espectadoras, e no entanto, para as nossas convidadas, ela não é especialmente relevante, já que ainda seria atribuída segundo a nova lei, mas num processo e num tribunal diferente daquele onde decorre o divórcio. Separam-se assim as àguas, tentando limpar um processo que, seja ele de litígio ou de ruptura, é sempre sujo e difícil.
Há um pressuposto no preâmbulo da nova lei que eu não resisto a comentar, até porque foi levantado pela nossa convidada Manuela Tavares, da UMAR: a base do casamento é a afectividade. Por muito que possa confundir e chocar, eu não concordo, por uma razão bem simples: se a base do meu casamento fosse a afectividade, ter-me-ia divorciado umas semanas depois de me ter casado. Exagero, por certo, mas apenas para estabelecer este ponto: o afecto é importante, mas apenas quando está de mãos dadas com o compromisso, com o sentido de aliança, com um projecto comum de vida que poderá ou não incluir outras futuras vidas. A base do casamento, quanto a mim, tem três pilares - missão, compromisso e amor. E nenhuma é mais importante do que a outra. Mais ainda, quando uma falha, as outras estão lá para nos recordar o porquê de termos escolhido aquela pessoa, remetendo-nos assim para o reacender do fogo que originou esta tremenda e assustadora empreitada a que chamamos casamento. É difícil, daí muitos de nós ficarmos pelo caminho, e temos de ser livres para o fazer - daí ser necessária uma lei do divórcio. Mas isso, a anterior já o fazia...
Numa nota positiva: a mediação familiar, introduzida nesta nova lei, é uma mais -valia bem vinda que há muito deveria fazer parte de todo o processo. A participação da doutora Maria Saldanha Pinto Ribeiro no programa deixou essa questão bem frisada.
tags:

publicado por Mundo das Mulheres às 09:13
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Categorias
Comentários recentes
Olá, sou nova cá e gostaria de partilhar o meu blo...
Visitem e comentem: http://tudo-sobre-a-tv.blogs.s...
Olá eu sua a Rita, tenho 15 anos e os meus pais na...
Olá!Gostaria de compartilhar com você este lindo p...
Agora para ver se aparece o clicável... http://www...
Arquivo

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Ligações
Pesquisar blog
 
Perfil